• Nelson Vieira

POLÍTICA – MAÇONARIA – POLÍTICA

A Política integra o “EU”, pensamos, já a partir da presença viva intrauterina, na condição de feto, embora sua manifestação seja pela formação completa dos órgãos, num determinado período, a contar do início da concepção, por intermédio da “simbiose” (ligação mútua entre mãe e feto). Diríamos que aí tem começo a política, pela sobrevivência até ser dada à luz.

Então, por conseguinte a política nasce com o homem, no homem e o acompanhará durante o ciclo da vida. E, dependendo da sua formação e área de atuação fará uso constante da política, no trato das coisas no dia a dia, ora com menor, ora com maior intensidade.

O homem é político nato, pois tem necessidade de se comunicar. Aristóteles dizia: “O homem é um ser político”. O seu desenvolvimento tem na política, início, meio e fim. Quando não consegue se fazer entender e/ou convencer, é porque algo está errado e o prejuízo é certo.

E o que isso tem a ver com a Maçonaria? Tudo. Sim, tudo. Ou será que a Maçonaria surgiu do acaso? Negativo, foi criada após muita política para inicialmente defender os interesses dos operadores (pedreiros) de construções de obras arquitetônicas, no velho continente, sem alardes (“Todos por um, um por todos”), observadas as normas (dinâmicas), desde sua criação. Esses construtores compunham a entidade constituída de aprendizes, companheiros e mestres.

Quer dizer que existe política na Maçonaria? Claro, e é natural. “A Maçonaria é uma instituição essencialmente iniciática, filosófica e progressista...” Em sendo assim, ela prima em proporcionar aos seus obreiros os preceitos definidos, mediante estudos, discussões e diálogos na promoção do enriquecimento do homem, sem fanatismos e respeito às crenças, sem distinção de raças, tudo consubstanciado em legislações internas e externas.

No seu bojo a política prevalece, como exemplo podemos mencionar as atitudes preliminares para escolha dos dirigentes e procedimentos posteriores, quando já decidido os escolhidos, desde as células mater., as Lojas. Onde, cada qual tem suas políticas de ações, consideradas as prioridades, todas afinadas as diretrizes da Ordem.

A par disso, a Maçonaria sempre esteve presente em acontecimentos de vulto no mundo, através de homens pertencentes à instituição, contribuindo com soluções em benefício da humanidade. No Brasil, entre tantas participações, destacamos sua presença nos episódios que culminaram com a independência do país, abolição da escravatura e proclamação da república. E continuará, pois, que os Maçons estão em vários segmentos da sociedade.

Donde deduz-se que a política está na Maçonaria, e essa na política. Há de se ressaltar as diferentes políticas, no aspecto de suas aplicações e fins. Eis que temos as políticas individuais, administrativas, econômicas, ... e partidárias (de cunho ideológico). Em comum, devem obedecer às normas, sem prejuízo para atingir os objetivos.

Puxa! Depreende-se que a política vem antes, está e vai além da Maçonaria? Perfeito. Coloquemos na cabeça, a Maçonaria é composta de homens (com diferenças, igualdades, de bons costumes, com formações, atividades diversas e livres), portanto é primário, onde há homens, há política.

Nelson Vieira de Souza