• Jeová Neves Carneiro

MÁSCARAS

O uso das primeiras máscaras pelo homem teria ocorrido em 9.000 a.C. Segundo o Museu de Israel, em Jerusalém, as máscaras com características humanas foram utilizadas em celebrações, cultos e rituais primitivos. O uso dessas máscaras era uma forma de associação do usuário com os “Deuses” ou de buscar uma associação a um determinado papel social.

Na Grécia e no Egito antigo (664-535 a.C.), as máscaras eram inseridas sobre os rostos dos falecidos, acreditando na passagem dessa para a “vida eterna”. Já na China, as máscaras eram utilizadas no sentido de afastar os maus espíritos. Essas máscaras eram confeccionadas em tecidos e cobertas com gesso e posteriormente pintadas e, no caso de personagens importantes, eram adornadas com ouro e prata.

Na Grécia antiga, surgiram as máscaras teatrais. Eram usadas em rituais e em festas “dionísicas”, de Dionísio, Deus do Vinho e da fertilidade. Entre o século 17 e 20, ocorre a confecção de máscaras mortuárias para a realeza europeia, tornando-se tradição entre os famosos.

Em muitas culturas primitivas (África, das Américas e do Oceano Pacífico), as máscaras eram utilizadas em festas e em cerimônias religiosas. Estas eram confeccionadas com madeira, chifres, argila, plumas, peles de animais, etc. No Brasil, o carnaval.


MÁSCARA CIRÚRGICA

A criação das máscaras cirúrgicas é atribuída ao cirurgião polonês Jan Mikulicz, que em 1896, estimulado pelo bacteriologista Carl Flugge, autor da teoria da disseminação das infecções por gotículas produzidas no nariz e na boca, começou a usar uma máscara rudimentar feita com gaze.


Alice Hamilton, infectologista de Chicago, em 1905, confirmou a presença de germes em gotículas eliminadas pela fala, tosse ou espirro. Posteriormente, em 1918, outros pesquisadores demonstraram que ao falar, tossir ou espirrar, pode-se emitir de poucas até 300 vezes mais partículas.



O USO DE MÁSCARAS NA PREVENÇÃO DO NOVO CORONAVÍRUS

* Lucas Riolo Salles


Antes da pandemia causada pelo novo coronavírus, era quase impensável ver grande parte da população usando máscaras de proteção na rua. Contudo a situação mudou, principalmente após o governo do estado tornar seu uso obrigatório. Mesmo assim, ainda há dúvidas de parte da população quanto a necessidade e ao benefício do seu uso.

Por isso, neste post, vamos te explicar qual a importância do uso das máscaras para a covid-19, qual o melhor material para confecção e como realizar sua higienização.


POR QUE USAR MÁSCARAS FACIAIS PARA PROTEÇÃO?

A covid-19, doença causada pelo coronavírus SARS-Cov-2, é transmitida principalmente por meio do contato com pequenas gotículas que contém o vírus e são expelidas por pessoas infectadas. Elas entram em contato com as nossas vias aéreas, e novo coronavírus pode começar a se multiplicar no nosso corpo. Portanto o uso de mascaras é importante como medida de proteção tanto para você quanto para as pessoas a seu redor.

As máscaras funcionam como uma barreira física para a liberação dessas gotículas no ar quando há tosse, espirros e até mesmo durante conversas. Seu uso é importante principalmente em locais em que não é possível manter uma distância mínima de segurança. Apesar de sua eficácia, seu uso deve ser acompanhado de outras medidas de proteção como limpeza frequente das mãos e distanciamento físico de 2 metros de outras pessoas.


EXISTE ALGUMA COMPROVAÇÃO DA EFICÁCIA DAS MÁSCARAS?

Sim. Diversos estudos foram publicados ao longo dos meses de pandemia. Segundo a OMS – Organização Mundial da Saúde, em cenários como o Brasil, onde há transmissão comunitária, há a indicação do uso de máscaras sempre que as pessoas saírem para ambientes coletivos.


COMO UTILIZAR CORRETAMENTE SUA MÁSCARA

  1. Higienize suas mãos antes de colocar a máscara.

  2. Verifique se a máscara está em bom estado de conservação.

  3. Coloque-a de maneira que cubra o nariz, boca e queixo.

  4. Evite tocar na máscara enquanto a usar, principalmente na parte frontal.

  5. Troque a máscara caso ela fique molhada ou suja.

  6. Higienize novamente suas mãos antes de tirar a máscara.

  7. Retire-as por meio de elásticos evitando contato com a parte frontal.

  8. Realiza nova higienização das mãos com álcool em gel.


Jeová Neves Carneiro

Membro da Academia Maçônica de Letras de MS


Disponível em: cobvious:http://lounge.obviousmag.org/Anna_anjos/2013/11/a-origem-da-mascara.

Coladaweb.com

Sarah Durn

Alfredo Guarischi, ECBC

*Lucas Riolo Salles, Leandra Prates Diniz, Gabriella Yuka Shiomatsu, Vitor Yukio Ninomiya, Ricardo Tadeu de Carvalho.

Alunos da faculdade de medicina da UFMG pela parceria da SES-MG, Projeto Adote sua Vizinhança em Tempos de covid-19.